top of page

13º, férias e festas? Dicas para ter atenção redobrada nos gastos de fim de ano

"O planejamento financeiro não é apenas um instrumento para adquirir itens de consumo. Ele também refina nossa capacidade de fazer escolhas." Gustavo Cerbasi


Dá para acreditar que já estamos em novembro? Pois é, parece que perdemos o controle do tempo e já estamos nos deparando com as festas de fim de ano. A imprensa não é uma boa aliada de quem luta pela educação financeira em nosso país. É um período em que somos bombardeados por ela para o consumo, em usar o 13º para fazer as compras de natal e quitar dívidas (e novamente elas surgirão no ano que vem, pois, a CAUSA não foi resolvida rsrs), coberturas sobre o congestionamento nas estradas em virtude dos feriados, e o roteiro está assim definido há décadas. A pauta não muda e nos tratam como se estivéssemos num looping.

Praticamente os noticiários não se preocupam em orientar o cidadão, para preservar parte do seu 13º e INVESTIR, informá-lo, trazendo formadores de opinião no mercado, sobre as várias alternativas de investimento (lembrem que em postagens anteriores, falamos de alternativas para investir a partir de R$ 1,00), a importância da educação financeira em um período de aumento de gastos como este e por aí vai.

Passaremos agora por um período, principalmente em tempos de marketing digital, que seremos bombardeados por propagandas sobre a Black Friday, em seguida Natal, viajar no Réveillon e, é claro, a tão esperada férias de janeiro para viajar. Ufa! E como ter dinheiro para tudo isso? Nesta hora as administradoras de cartões de crédito já ficam todas com as suas "lojinhas" abertas para nós pegarmos todos os produtos e serviços que desejarmos e como, num passe de mágica, nem precisar pagar na hora. Ah!, mas e depois disso tudo? Depois, virão as contas da farra de dezembro e novamente o looping.

O que fazer então? Vamos citar alguns pontos para você redobrar a sua atenção, para que assim você entre em 2022 com algumas escolhas bem definidas.

1) FAÇA UMA ANÁLISE DO SEU MOMENTO FINANCEIRO. NÃO VIVA A VIDA DOS OUTROS

Uma das coisas mais difíceis em nosso comportamento econômico está em compreender que, talvez, você não poderá fazer parte daquela festa naquele momento. O que quero dizer com isso? Estamos num momento econômico que, se de um lado tem crescido o número de investidores no país, o que é bem positivo, do outro ainda temos um desafio de ter pouco mais de 70 milhões de brasileiros fechando suas contas no vermelho no fim, e isso sem falar que em torno de 14 milhões de brasileiros estão à procura de um emprego, para trazer o sustento para o seu sustento e de sua família. Então os momentos de cada um são bem, diversos.

DICA:

- Se você nunca fez um planejamento financeiro, comece do zero e elabore um planejamento para estes três meses (novembro a janeiro) de tudo que irá receber neste período e quais compromissos já são fixos. Tudo de forma bem simples e objetiva.

Já separe um valor para os presentes de natal e ceia. Procure fazer todos os pagamentos à vista, evitando neste período o uso do cartão de crédito, pois isso lhe facilitará fazer escolhas (o que eu quero priorizar) e saber lidar com limites (o quanto eu poderei gastar).

Como diz o Gustavo Cerbasi, a referência para você é saber COMO vai construir seus planos, e não SE vai ou não realizar seus sonhos.

2) ANALISE OS GASTOS QUE VOCÊ PODE CORTAR NESTE PERÍODO

Ao fazer o planejamento citado no item 1 você já poderá verificar que os gastos em que mais perdemos o controle financeiro não estão nas grandes despesas, mas, nas pequenas despesas do dia a dia sem nenhum tipo de controle (ex. compras de produtos supérfluos, passeios, refeições fora de casa, roupas, cosméticos, estética, etc.) que acabam tomando conta do restante (ou até mais) do orçamento.

DICA:

- Dê foco nos gastos variáveis, para este período de três meses e veja quais situações você pode renunciar, em troca de passar este período em paz, curtindo aquilo que realmente tem Valor e sem dores de cabeça para o próximo ano.

- Tem algum compromisso assumido com juros e você percebeu que terá uma reserva para antecipar 3 parcelas? Verifique o desconto que será dado, pois, de repente, poderá valer mais, do que deixar investido e sobrará mais algum dinheiro ao final do planejamento.

3) INVISTA

Comece a separar um valor para investir, mesmo que seja para fazer frente a algum compromisso após estes três meses. Não se apegue ao quanto irá render de juros para você, mas sim, qual valor você destinou para investimento. Conheça a plataforma da Fluir, em parceria com a Franq Open Bank, no link, Investimentos, onde você poderá investir a partir de R$ 1,00 e ter um ano de 2022 com muito mais perspectivas e mudanças positivas em sua vida.

Qualquer dúvida entre em contato com a Fluir. Será uma satisfação lhe atender e lhe daremos uma consultoria diagnóstica gratuita para você começar a fazer os seus investimentos.


Vamos agora ao resumo semanal do mercado financeiro

BOLSA DE VALORES

O Ibovespa fechou a sessão desta sexta-feira (5) em alta de 1,37%, aos 104.824,23 pontos, aliviando as tensões após renovar mínimas no fechamento de quinta. O volume de negócios do dia ficou em R$ 31,3 bilhões. O desempenho positivo da bolsa hoje foi resultado do balanço financeiro do Bradesco, além dos agentes financeiros continuarem a acompanhar o desdobramento da PEC dos Precatórios.

Na semana e no mês de novembro, o índice apresenta uma alta 1,28%. O ano de 2021, a Bolsa está apresenta uma perda de 11,93% e, durante os últimos 12 meses, a rentabilidade está positiva em 3,86%.

BDRs: Conforme dados da EQI e sua equipe de analistas, os Brazilian Depositary Receipt (BDRs) da Alphabet (GOGL34), controladora do Google, da Walt Disney (DISB34), Facebook (FBOK34), Amazon (AMZO34) e Nvidia (NVDC4) são os mais recomendados por analistas em novembro.

Todas as empresas mencionadas tiveram quatro indicações. Na sequência vem Mercado Livre (MELI34), com três recomendações.

DÓLAR

Os dados positivos do emprego nos EUA também foram responsáveis pelo fechamento do dólar em uma forte queda de 1,53%, a R$ 5,5225, a maior perda diária em quase 2 meses contra o real.

Na semana, e no mês de novembro, o dólar encerra com uma queda de 2,19%.

No ano, o dólar apresenta uma valorização de 6,43% e, nos últimos 12 meses, a variação levemente em queda de 0,41%.

EMPREGO

EUA: A criação de vagas de trabalho nos Estados Unidos aumentou mais do que o esperado em outubro, oferecendo mais evidências de que a atividade econômica está recuperando o fôlego no início do quarto trimestre. Foram criados 531 mil postos de trabalho fora do setor agrícola no mês passado, informou o Departamento do Trabalho em seu relatório de empregos, nesta sexta-feira (5).

ESG

Nesta COP26, em Glasgow, na Escócia, o Brasil apresentou um cenário bem diferente daquele no qual o Banco Mundial, em 2013, fez um estudo exaltando a política nacional de biocombustíveis. A Organização das Nações Unidas (ONU), chegou a considerar o modelo brasileiro de utilização de combustíveis não fósseis um exemplo mundial.

Desde o início deste ano, o percentual de biodiesel misturado ao diesel vem caindo. Era de 13% e agora está em 10%. Foi a primeira vez que o percentual foi deliberadamente diminuído, desde 2008, quando biodiesel passou a ser adicionado ao combustível de veículos pesados.

O governo alega que, por conta do aumento global da demanda por commodities, o preço das matérias-primas do biodiesel – a soja e o sebo bovino – subiu muito. E isso prejudicaria tanto a mistura do biodiesel no diesel quanto o custo do combustível na bomba.

INDÚSTRIA

A escassez de semicondutores, que atingiu o setor automotivo pode durar até 2022 e atingir a produção de smartphones. Segundo sondagem feita pela Abinee, associação que representa a indústria nacional de aparelhos eletroeletrônicos, 12% dos fabricantes do setor tiveram que parar parte da produção no mês passado por falta de componentes eletrônicos.

INFLAÇÃO

O IGP-M, conhecido também como a inflação do aluguel, fechou outubro em 0,64%. Com este resultado, no ano, índice acumula alta de 16,74%, bem acima da inflação oficial do país medida pelo IPCA e o índice acumula alta de 21,73% em 12 meses.


POLÍTICA FISCAL

Conforme já comentado em postagens anteriores, os riscos fiscais crescem com indefinição dos gastos para 2022. Conforme publicado no relatório da ANBIMA, houve correções pontuais de indicadores fiscais para 2022, com aumento do déficit primário em relação ao PIB (de 0,81% para 0,9% do PIB) e da dívida bruta (83,2% para 83,5% do PIB). Alguns economistas do grupo Consultivo Macroeconômico alertam para uma deterioração do resultado primário no ano que vem, em virtude da aprovação da PEC dos precatórios pela comissão especial da câmara dos deputados.

SELIC

Nesta última semana, foi divulgada a Ata da última reunião do COPOM, onde o Banco Central elevou novamente a taxa básica de juros básica da economia (SELIC) para 7,75% ao ano, com um aumento de 1,5 ponto percentual, sendo este o sexto aumento consecutivo. Este é o maior patamar desde 2017.

Os vetores que mais foram pontuados para esta decisão são os juros mais altos, forte pressão inflacionária e maior risco fiscal pressionando os ativos de risco. Os investidores têm sido cautelosos na gestão dos seus ativos, optando por empresas mais defensivas e resilientes, com maior fluxo de caixa, como é o caso de boas pagadoras de dividendos.


Fonte: ANBIMA; Banco Central; Bullion-Rates; Capitalizo; CNN Business; CORECON; Dica de Hoje; EQI; Forbes; Infomoney: Money Times; Itaú Corretora, Nord Research; Sebrae; Suno Research; Tesouro Direto, XP Inc.


Posts recentes

Ver tudo

Fluir

Comments


bottom of page