top of page

Quero começar a investir, mas não consigo falar com ninguém do Banco. O que eu faço?

"Não faça nada por impulso." Luiz Barsi

Está certo que a tecnologia chegou para viabilizar o nosso tempo na tomada de decisões e uma delas na área financeira e facilidades não faltam. Não precisamos mais ir à uma agência bancária. Abrimos a conta digital, de forma rápida, segura e em qualquer horário do dia.

Acessamos a nossa conta bancária nos mais diversos ambientes e horários. Vemos o extrato, pagamos contas, acompanhamos os gastos na fatura do cartão de crédito, vemos os limites disponíveis, conferimos o comportamento das nossas finanças nos serviços oferecidos pelo app etc. Enfim, todos os serviços de um Banco em nossas mãos.

A situação complica quando uma pessoa física ou jurídica precisa INVESTIR o seu dinheiro.

Enquanto a estrutura do sistema financeiro não compreender que a maioria dos cidadãos brasileiros, e das micro e pequenas empresas, não sabem por onde começar a investir, continuarão batendo cabeça. A questão não está mais em ter acesso à informação, pois isso está cada vez mais bem suprido e difundido pelas mídias digitais. O ponto fundamental está PERSONALIZAÇAO do atendimento ao investidor, principalmente no início, pois cada Cliente traz em sua formação todo um histórico familiar com relação ao dinheiro, sem ter tido aulas de educação financeira no ensino fundamental ou médio (e até hoje vários cursos de Graduação são resistentes a incluir esta disciplina na sua grade curricular), um certo medo de investir errado e todo um histórico comportamental que afeta a sua decisão.

A S&P Ratings divulgou em 2014 um estudo que em países desenvolvidos 70% da população têm conhecimentos básicos sobre juros e finanças, na escala global este percentual já cai para 33% e no Brasil 34%. Ou seja, temos um amplo caminho pela frente para falar de educação financeira.

Você já se deparou, no app do seu Banco, com a infinidade de siglas para investir? Os Bancos continuam acreditando piamente que, ao somente oferecer toda a plataforma dos seus investimentos, o Cliente já terá ciência de todas as siglas, formatos, riscos, prazos características etc. de um investimento. Menos né?

Deixamos agora três questões para você conhecer e poder comparar o que realmente o seu Banco está lhe oferecendo:

1) Qual o valor mínimo de investimentos que o seu Banco lhe pede, para você ter direito a um assessor de investimentos?

Apesar da facilidade para começar a investir o nosso dinheiro pelos Bancos, mesmo para quem tem R$ 1, a maioria deles só lhe oferece um assessor a partir de um valor mínimo de investimentos, o qual normalmente é alto para a grande maioria (de R$ 50 mil ou R$ 100 mil em diante), ou um telefone (ou whatsapp) para você ligar e ficar vários minutos à espera de uma pessoa qualquer da equipe do Banco para lhe atender e que, provavelmente não o conhece.

DICA: Se você já tem um dinheiro para investir pesquise no seu Banco qual o tipo de assessoria que você poderá contar.

2) Qual o planejamento financeiro que você faz, para saber montar o seu portfólio de investimentos, conforme o seu perfil? O app do seu Banco lhe oferece esta possibilidade?

Como uma pessoa pode começar a investir se não souber por onde começar e fazer um planejamento adequado? Está aí uma outra questão para os Bancos refletirem.

Vários investidores caminham para dois extremos, e que não são os mais adequados. De um lado estão os que acabam investindo os seus primeiros recursos diretamente em ações, criptomoedas ou investimentos de longo prazo, sem ao menos terem feito inicialmente uma carteira da reserva de emergência, com investimentos de liquidez diária.

Na outra ponta está um grupo de investidores que apenas quer "guardar um dinheiro" e sem muita pesquisa para isso, e direcionam tudo para a poupança, por ser mais fácil e prático.

Ao você começar a investir, o app do seu Banco lhe pedirá para responder um questionário sobre o seu perfil de investidor, para saber se você é um investidor mais conservador, moderado ou arrojado, e aí ele lhe mostra o seu formato para investir. Porém, não seria interessante, após esta pesquisa, o Banco lhe perguntar o seu valor para investir e lhe mostrar, com base no seu perfil, como você pode distribuir os seus recursos?

DICA: Após você resolver a questão 1, responda ao questionário do seu perfil de investidor no Banco e verifique se o sistema lhe oferece uma ideia de como você pode montar a sua carteira. Evite investir por sua conta, pois alguns investimentos maltratam a rentabilidade do seu tão suado dinheiro rsrs.

3) Você sabe o que uma assessoria econômica e financeira, pode lhe auxiliar nessas escolhas? Você já acessou uma plataforma de open banking?

Sou Economista, e um dos nossos campos da nossa atuação está na assessoria econômica e financeira. Qual a diferença de um Assessor de Investimentos? O Assessor de Investimentos é o seu apoio para lhe explicar sobre os investimentos disponíveis no Banco, Banco de Investimentos ou Corretora, mas ele não irá cuidar de fazer o seu planejamento financeiro pessoal ou empresarial, ou mesmo lhe orientar em como estruturar a sua reserva de emergência, de oportunidades, ou lhe treinar para compreender os tipos de investimentos, pois não há tempo hábil para isso e não é o seu foco.

Para isso, temos a figura da consultoria financeira, a qual faz uma análise customizada do Cliente, conforme suas características, perfil, momento econômico (muitos ainda estão procurando saírem das dívidas) e horizonte de tempo quanto ao planejamento financeiro. Minha utopia é que, em algum dia, os Bancos tradicionais e os Bancos de Investimentos ofereçam um serviço de assessoria econômica e financeira (educação financeira) junto aos seus Clientes, de forma personalizada e dentro de uma plataforma em que ele possa escolher um assessor econômico disponível naquele momento para uma conversa, ou mesmo agendar um horário.

Quanto ao open banking, no final do ano passado, a fase 4 onde o sistema de compartilhamento de informações e históricos saíram do âmbito bancário e passaram a valer para toda a configuração de finanças pessoais, como seguros, investimento, câmbio e etc. foi finalizada mas, quanto às possibilidades que se abrem, está apenas no começo. Quando a grande maioria dos Clientes autorizarem o acesso do open banking, perceberão que os Bancos, onde eles mantiveram por anos, ou até mesmo décadas os seus investimentos, trataram de forma inadequada (ou abandonada) o seu dinheiro investido.

A Fluir está desde novembro do ano passado, junto à plataforma de open banking da Franq, onde temos agora a possibilidade de aliar a assessoria econômica e financeira, junto à uma plataforma de várias instituições financeiras e com os mais variados produtos e serviços, dentre eles, a plataforma de INVESTIMENTOS. Para você conhecer clique aqui.

DICA: Em um futuro que está cada vez mais próximo, e muito semelhante ao modelo do sistema bancário americano, as pessoas físicas e empresas irão manter contas nos Bancos de grande porte (os chamados Bancões) para os serviços do dia a dia e migrarão seus investimentos para plataformas de Bancos de Investimento, cada vez mais adequadas ao seu perfil.

A ideia não é que você saia do seu Banco tradicional, pois algo que o brasileiro preza muito é pela tradição em algumas coisas, dentre elas, a conta do Banco. Mas, queremos apenas ampliar o leque de possibilidades, com um melhor planejamento financeiro, com diversidade de opções e um serviço mais personalizado, pois atualmente, os gerentes dos Bancos não têm mais tempo para cuidar disso.

Não hesite em nos contatar para a sua consultoria diagnóstica. Envie sua mensagem pelo whatsapp e entraremos em contato.

Fluir, as suas finanças em DIA!



Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page